Arte: FFDF

Faltando um mês para a Segundinha, conheça o regulamento

Faltando um mês para o começo da Segundinha, marcado para o dia 30 de julho, entenda o regulamento da competição e o caminho rumo à elite do futebol candango. Nesta edição, são 14 equipes participantes, que foram divididas em dois grupos inicialmente.

Grupo A

  • Ceilandense
  • SESP/Samambaense
  • Greval
  • Bolamense
  • Cruzeiro-DF
  • Aruc
  • Planaltina

Grupo B

  • Brazlândia
  • Legião
  • Sobradinho
  • Botafogo/Cristalina
  • Real Brasília
  • Samambaia
  • CFZ

Cada equipe poderá utilizar até cinco atletas não profissionais, desde que tenham no mínimo 16 anos e no máximo 20 completos, e estejam registrados no BID da CBF. No caso de atletas estrangeiros, o máximo também são cinco, menos em caso de refugiados, que para efeitos das competições nacionais, equiparam-se aos atletas nacionais.

O atleta que for relacionado na súmula, entrando ou não em campo, não poderá mais disputar a competição por outra equipe. Para estar à beira do campo, o técnico terá que ter o Registro de Treinador Profissional de Futebol e estar registrado no BID da CBF.

Os cartões amarelos não serão zerados em nenhuma fase, e a competição seguirá o modelo de substituições que vem sendo seguido no futebol mundial, com cinco trocas possíveis, desde que respeite o máximo de três paradas no decorrer da partida.

Ingressos e disposições financeiras

Os preços dos ingressos serão determinados pelo clube mandante, não podendo ser inferior a R$ 5 e superior a R$ 50, independente do jogo do campeonato. Em setores equivalentes, não poderá ter diferente de preço de ingressos para a torcida mandante e a visitante.

Na partida final, de mando da Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF), os custos serão da mesma, e cada clube terá direito a apenas cinco cortesias.

A renda líquida de todas as partidads será da equipe mandante, que terá que passar para a FFDF a sua carga de ingressos, assim como a confecção dos mesmos. Em cada partida, a FFDF terá direito a uma taxa de 5% da renda bruta arrecadada.

As taxas de arbitragem foram fixadas em R$ 1.430 por jogo, e são de responsabilidade da FFDF, assim como a contratação de ambulância.

Sistema de disputa

O Campeonato Candango da Segunda Divisão será disputado em três fases. Na primeira, as equipes foram sorteadas em dois grupos de sete times cada, que se enfrentam dentro do próprio grupo em jogos de turno único, com uma folga por grupo em cada rodada.

Os dois primeiros colocados passam para a próxima fase, a semifinal, que acontece em jogos de ida e volta, com mando de campo do segundo jogo para os melhores colocados da primeira fase. O 1º do grupo A enfrenta o 2º do grupo B, e o 1º do grupo B enfrenta o 2º do grupo A.

Aqueles que passarem da semifinal, garantem a vaga na decisão e na elite do Candangão de 2023. A taça será disputada em jogo único, com mando de campo da Federação de Futebol do Distrito Federal (FFDF), marcado para o dia 17 de setembro.

Falta de estádios

A preocupação comum dos clubes é com relação aos estádios de futebol: hoje, apenas três estádios estão em condições legais de receber jogos com público: Ciro Machado (Vila Planalto), Abadião (Ceilândia) e Mané Garrincha (Brasília). E normalmente o terceiro é reservado para a realização de outros eventos, além do empecilho do alto custo cobrado pela gestora.

Camila Bairros

Jornalista pós-graduada em jornalismo digital. Escrevo sobre o esporte candango e nas horas vagas assisto mais futebol

Camila Bairros tem 291 posts e contando. Ver todos os posts de Camila Bairros

Camila Bairros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *