Foto: Lucas Bolzan

Pela 4ª vez na história, Brasiliense e Ceilândia se enfrentam na final do Candangão

Na última quinta-feira (24), o Brasiliense bateu o arquirrival Gama no Estádio Abadião pelo placar de 1 a 0. Com esse resultado, o time amarelo carimbou sua vaga na final do campeonato estadual com duas rodadas de antecedência, assim como o Ceilândia, que um dia antes venceu o Capital. Os dois times decidirão a grande final em jogos de ida e volta, nos dias 2 e 9 de abril, ainda sem local definido.

Essa não será a primeira final estadual disputada entre o Jacaré e o Gato Preto. De 2010, foram três disputas decisivas entre as duas equipes. No retrospecto geral, o Brasiliense tem uma leve vantagem: dois títulos para os amarelos e um para o alvinegro.

Foto: Lucas Bolzan

O primeiro embate aconteceu um em 2010, quando os dois se enfrentaram em jogos de ida e de volta. O alvinegro venceu o primeiro em casa, no Abadião, pelo placar de 3×2, com direito a dois gols de Allan Dellon e um de Dimba. No segundo jogo, empate emocionante em 2×2: o Brasiliense abriu dois gols de vantagem ainda aos 13 do segundo tempo e levava a taça pra casa. Porém, em apenas dois minutos, o Jacaré viu o seu heptacampeonato consecutivo ir embora quando Dimba e William Carioca marcaram aos 69′ e 71′, respectivamente, levando a taça para Ceilândia pela primeira vez na história.

A revanche amarela viria sete anos depois, em 2017. Após passarem por Sobradinho e Paracatu, eles se reencontrariam na grande final. A primeira partida, no Abadião, ficou no empate em 2×2, prometendo grandes emoções para a volta. Dito e feito: o Gato Preto abriria 1×0 logo no primeiro tempo, mas sentou na vantagem e viu o Jacaré abrir três a um, com gols de Reinaldo, Nunes e Souza. O Ceilândia ainda marcaria no finzinho da partida, mas já era tarde: após cinco anos de jejum, o Brasiliense era campeão estadual.

A terceira e última final entre as equipes aconteceu no ano passado, em 2021. Essa, sem grandes emoções como as antecedentes: em partida única, no Mané Garrincha, e ainda sem público em virtude da pandemia da covid-19, o Jacaré saiu na frente logo no primeiro tempo, com gol marcado pelo zagueiro Keynan, aos 20 minutos. O jogo ficou por aí mesmo: 1×0 pro Brasiliense, que se conquistava o seu décimo campeonato candango.

Menção honrosa

A primeira “final” aconteceu no ano de 2005, quando o Jacaré tinha apenas cinco anos de existência e já conquistava o seu bicampeonato estadual consecutivo. Porém, não foi bem uma final: o campeonato daquele ano foi dividido em dois grupos e os dois melhores colocados se classificariam para um quadrangular realizado em turno e returno.

A equipe que somasse mais pontos, se sagraria campeã. E foi o que aconteceu com o Brasiliense, que somou 13 pontos com quatro vitórias, um empate e uma derrota. O Gato Preto amargaria o vice-campeonato com oito pontos, duas vitórias, um empate e uma derrota.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *