Foto: Rogério Guerreiro

Brasília joga bem, mas perde vantagem nos últimos lances e entrega partida para Vôlei Futuro

Depois de duas semanas de pausa, em decorrência das medidas restritivas de segurança sanitária para conter a disseminação da COVID-19, o time do Brasília Vôlei Upis voltou à quadra do Sesi Taguatinga nesta quinta-feira (30), para enfrentar o Vôlei Futuro Assaí em uma série melhor de três das quartas de final da Superliga B masculina temporada 2021.

Em jogo equilibrado e emocionante, os brasilienses fizeram boa partida, mas a vitória foi para os paulistas do Vôlei Futuro que venceram por 3 sets a 2 com parciais de 15×25; 26×24; 25×16; 23×25 + TB 13×15

O resultado ainda não define quem leva a melhor nessa série de PlayOffs, mas dá vantagem ao Vôlei Futuro, que chega mais perto da próxima etapa. O levantador Christiano do Vôlei Futuro, levou o troféu de melhor jogador desta partida.

Primeiro set

O primeiro set iniciou passivo por parte dos brasilienses e os paulistanos aproveitaram a deixa para abrir vantagem gigantesca e levar o set por 10 pontos de diferença. Depois de uma série de erros do Brasília Vôlei, o Vôlei Futuro aproveitou para abrir a primeira vantagem de quatro pontos na partida 6×2. Após marcação do terceiro ponto do Brasília, Thiessen pediu tempo para orientações à sua equipe.

Depois de um erro de saque de Cris, do BSB, o Vôlei Futuro aproveitou o rodízio e William enviou uma bola surpresa para o campo adversário, marcando 13×6 e sete pontos de diferença. E o set permaneceu durante um bom tempo com seis pontos de diferença, até que nas pontuações finais, a equipe do Vôlei Futuro deu um gás mais agressivo e fechou com 25×15.

Segundo set

Apesar do Brasília levar a melhor, o segundo set foi bem equilibrado, inclusive com os erros. Só de saques foram quatro jogadas consecutivas desajeitadas que deram ponto ao adversário oposto.

E a primeira diferença de dois pontos da partida veio depois de um lindo bloqueio de Lucas, 8×6 para o Vôlei Futuro. Mas o empate logo chegou com uma bomba de saque que forçou o Vôlei Futuro devolver a bola para o Brasília e render um 8×8 para a equipe que se recuperava.

Kelvin colocou o Brasília na partida após um saque bomba que desestabilizou a recepção do adversário e pela primeira vez o time abriu dois pontos de vantagem, 10×8. O que não durou muito tempo, o técnico Thiessen pediu tempo quando ambos os times estavam com 15×15.

Em um set de muitas reviravoltas e equilíbrio, o que definiu foram os detalhes: em erro de saque do Vôlei Futuro, o Brasília levou a melhor no set com dois pontos de diferença, 25×23.

Terceiro set

O jogo até continuou equilibrado no início, ponto cá e lá, mas o Vôlei Futuro deu uma diminuída na agressividade e, nos lances decisivos (os últimos), o Brasília conseguiu abrir nove pontos de diferença para finalizar o set.

Passando a se impor mais no jogo, o Brasília abriu vantagem de cinco pontos pela primeira vez na partida, após um belo bloqueio de Kelvin, 17×12.

Depois de um período de pontos lá e cá, Carlos Henrique cravou no fundo da quadra da equipe do Vôlei Futuro e abriu sete pontos de vantagem para o Brasília Volêi, alcançando 21×14. Kelvin, em uma bola largada, fez 22×15. Vôlei Futuro tentou muito uma reação, mas após um erro de saque de Bruno, o Brasília fechou o set por 25×16.

Quarto set

Até aqui o jogo continuou equilibrado, ponto a ponto. O Brasília Vôlei chegou a abrir dois pontos, 10×8, mas logo em seguida, Bruno diminuiu a vantagem candanga com uma bomba no fundo da quadra.

E, do nada, em um erro de Kelvin, o Vôlei Futuro passou a frente por 11×10. Nesse momento, Marcelo Thiessen pediu tempo para animar uma reação da equipe dele. E não demorou muito para pedir mais uma parada na partida, pouco depois o Vôlei Futuro abriu vantagem de três pontos. O que foi se arrastando até o fim do set. Em um errinho de defesa do Brasília, a quadra foi invadida e o ponto que era do Brasília foi para o Vôlei Futuro que finalisou o set por 25×23.

Tie-Break

O último e decisivo set iniciou com ponto do Brasília Vôlei, mas logo em seguida a equipe do Vôlei Futuro marcou também trazendo de volta a famosa equilibrada da partida. Para um set relativamente pequeno, não teve muita diferença dos outros. Os times continuaram muito iguais em técnica e pontuação.

A primeira vantagem de dois pontos chegou aos 10 pontos do Brasília contra oito do Vôlei Futuro. Mas, logo depois, os paulistanos conseguiram a dianteira e abriram um ponto de vantagem que pressionou mais uma parada para orientações do técnico Thiessen.

Em pouco tempo o Vôlei Futuro abriu três pontos e ficou mais próximo de garantir a partida. Mas, como a partida estava muito equilibrada, após uma ace de Cris, o Brasília encostou no placar, 12×13, o que fez o Vercesi pedir o primeiro tempo para a equipe tranquila do Vôlei Futuro.

Nos minutos finais, em uma reação rápida, Dutra bloqueia e empata 13×13, mas o Vôlei Futuro se aproveitou dos erros que o Brasília cometeu depois e ganhou a partida após uma bola fora do BSB, fechando 15×13.

Ficha técnica

BRASÍLIA VÔLEI/UPIS 2 x 3 VÔLEI FUTURO ASSAÍ
Parciais: 15×25; 26×24; 25×16; 23×25 + TB 13×15

Brasília Vôlei / Upis
Time: Kelvin, Dutra, Alex, Bruno M, Cristiano, Paulo L; Lib: Matheus;
Entraram: Carlos Henrique, Índio;
Técnico: Marcelo Thiessen.

Vôlei Futuro Assaí
Time: Chris, Arthur, João, Lucas, Bruno, Kaio; Lib: William;
Entraram: Ø;
Técnico: Angelo Vercesi.

Priscila Ferreira

Jornalista, publicitária e copywriter. Ama Jesus, sua família, animaizíneos, post-its, fazer resenhas das leituras diárias, escrever uns paranauês com o intuito de virar best-seller e cantar Bruno Mars.

Priscila Ferreira tem 2 posts e contando. Ver todos os posts de Priscila Ferreira

Avatar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *