Ela vendeu balas em busca do sonho e agora vai jogar a Série A1 pelo Minas Icesp

O Minas Icesp, que estreia no Brasileirão Feminino no próximo sábado, às 15h, contra o São José-SP, acertou a contratação de mais um reforço para o setor defensivo. Aos 24 anos, a goleira Adelayne Novaes, vem do Vila Nova-ES e, apesar da pouca idade, traz consigo uma bagagem de experiência cheia de altos e baixos, superações e êxitos. Ela conversou com o DF Sports e contou sua trajetória até a equipe de Brasília, falou das dificuldades do início da carreira, de como conseguiu seu primeiro par de luvas e sobre a ansiedade de defender o time candango.

Com 14 anos, a menina de Espírito Santo começou a ir atrás do sonho de tornar-se jogadora profissional de futebol. Brincando na escola, ela jogava futsal exclusivamente contra meninos, porque tinha consciência que, treinar defendendo chutes deles, a faria mais forte e mais resistente. “Eu era bem novinha e as boladas doíam muito. Mas eu gostava de jogar com eles”, contou a goleira. Após se formar na escola, ela conheceu um clube que praticava e disputava futebol de areia.

“Eu fui para esse clube. Joguei beach soccer, fui destaque em todos os campeonatos que competi, ficando como melhor goleira ou goleira menos vazada”, ela lembra. E com a continuidade de boas atuações, Adelayne chamou a atenção do treinador do seu primeiro clube de futebol de campo, Luciano Tadino do Vila Nova-ES, e aos 21 anos, Adelayne já dava mais um passo em direção àquele sonho. Mas um gosto particular da atleta a deixou apreensiva diante daquela oportunidade.

“Eu falei que eu não gostava de campo, eu estava acostumada com a areia, eu tinha vindo do futebol areia. Mas eu falei com ele: ‘eu vou, mas eu não sei nada de campo, eu não tenho noção de campo, mas eu vou. Vou tentar ajudar.’ Ele disse pra eu ficar tranquila, que com os treinos eu iria passar a gostar”, revelou a goleira. E ela realmente criou gosto pelo futebol de campo, mas de lá passou para a categoria do futebol society e destacou-se no Campeonato Brasileiro A2, Copa do Brasil, estaduais, metropolitanos, outras competições, e sempre conquistando títulos. Mas dentro do campo a vida parecia ser mais fácil do que fora dele.

“Eu tinha que ajudar o meu pai. Ele sofreu um infarto e a dificuldade financeira incomodava”, desabafou. “O clube não dava nada. A gente não recebe nada, não ganha nada. Inclusive, nós gastamos para jogar, para pagar aluguel de campo… Iamos para o sinal arrecadar dinheiro.” Em meio a tanta escuridão, surgiu uma luz de esperança: a seleção de futebol society. Porém, lado a lado com a oportunidade de representar o país em amistosos no Canadá, surgiu também a proposta de vir para o Minas Icesp. “Foi uma coisa de Deus mesmo!”, contou.

A goleira já está em Brasília treinando com suas novas companheiras. (Foto: Minas Icesp)

Segundo Adelayne, demorou bastante para a proposta ser algo concreto. Ela conversou com o preparador de goleiras, Gabriel Ribeiro (Flocos), que a alertou sobre a possibilidade de ir para o Minas. Surgiram outros clubes interessados, mas a atleta negou qualquer outra proposta. “Aí eu conheci o Jean Dutra (assessor da jogadora), que passou a me ajudar na questão da comunicação com o Minas Icesp. Ele conversou com a Nayeri (presidente do clube) e em três ou quatro dias tudo se resolveu”, explicou.

O assessor contou que, antes de conhecer Adelayne, soube da presidente do Minas Icesp que o clube estava carente de atletas na posição dela. “Eu casei ambas as situações, de dificuldade da Adelayne e a necessidade do time. Mandei um vídeo para a Nayeri, disse que a goleira estava à disposição para assinar com o clube e assim foi feito. Ficamos muito feliz com o desfecho”, explicou Jean.

Com a proposta do Minas Icesp, então, Adelayne abriu mão da viagem para o Canadá, para a qual ela já tinha conseguido o visto no valor de R$800, quantia que ela arrecadou no sinal, ao lado das companheiras de seleção, vendendo bala. Mas, mesmo conseguindo tudo isso, ela desistiu da viagem para vestir a camisa do time candango. “Vou escrever uma nova história! Estou muito feliz. Vou ajudar as meninas de qualquer forma e ter uma experiência muito boa!”, comemora a capixaba. “Jogar pelo Minas Icesp vai ser especial demais. Acompanhei e enfrentei elas no A2, no ano passado, e deu pra sentir o clima que existe dentro do clube.”

AJUDA PARA OS PRIMEIROS PARES DE LUVA

Em busca de patrocínio para ter luvas e demais equipamentos, Adelayne recorreu às goleiras da seleção, Bárbara Barbosa e Aline Reis, para pedir um par de luvas para começar o Brasileirão. A segunda respondeu as mensagens da jovem goleira perguntando a numeração e as duas não tinham o mesmo tamanho de mãos. Porém, Aline contou sobre um amigo dela, Elias, que é fabricante de luvas, e que faria de tudo para poder ajudar.

“Aí eu desabei. Comecei a chorar só pelo fato dela ter me respondido. Graças à Deus, deu certo. Ela me passou o contato dele, nós conversamos e fechamos a parceria. Agora só preciso mandar o endereço para ele me enviar as luvas”, comemora ela.

Adelayne tem como ídolos o goleiro mexicano, Guillermo Ochoa, e a norte-americana, Hope Solo. “Eu gosto muito dela. Ela é muito ágil, tem elasticidade, visão de jogo e demonstra segurança. Me inspiro nela e busco isso tudo em mim”, contou a goleira, que promete brigar por lugar no time titular da equipe candanga. “Vou buscar meu espaço! Goleira é difícil de substituir, mas independente de ser titular ou não, estarei lá dando apoio, lutando, treinando com elas, crescendo e me adaptando”, alertou.

A estreia do Minas Icesp na primeira divisão do campeonato nacional, também é uma marca inédita para a recém-contratada. “Nem nos meus melhores sonhos eu poderia imaginar um dia jogar o Brasileiro A1. Jogar contra mulheres de seleção principal e até mesmo de base… Vai ser bom pra todo mundo. Deus vai ajudar e vamos trabalhar em busca dos melhores resultados!”, afirmou Adelayne.

Além da expectativa pelo campeonato, a capixaba já chega na Capital com “sangue nos olhos” para o duelo deste sábado. “Sinto que o elenco é bem unido, focado, meninas novas que, assim como eu, têm sede de ganhar e trabalhar sempre em cima do que almejam! Espero que possamos nos entrosar e buscar a vitória em casa!”, torce. O duelo pela primeira rodada será no Estádio Abadião e as “minas” contam com a presença e o apoio da torcida brasiliense.

Patrocinadores oficiais do Minas Icesp Futebol Feminino

Marcelo Gonçalo

Formado em Sistemas de Informação, optou pela carreira de Jornalismo a partir de 2008. Jornalista, comentarista e narrador esportivo, foi o principal repórter do site BloGama até 2018.

Marcelo Gonçalo tem 2518 posts e contando. Ver todos os posts de Marcelo Gonçalo

Avatar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *