Há 20 anos, Brasília parou para testemunhar momento histórico do Gama

Dia 20 de dezembro de 1998 o Gama entrava em campo no estádio Mané Garrincha. Pela primeira vez na história de Brasília um time do DF lotava o estádio central da cidade com mais de 44.000 pessoas na condição de subir para a primeira divisão do campeonato brasileiro.

“Foi uma revolução porque o futebol de Brasília não era muito visto nem divulgado. A gente viajava na Série C e as pessoas nem sabiam que Gama era uma cidade. Foi um divisor de águas”, falou o zagueiro Jairo, que teve o privilégio de ser o primeiro a levantar a taça da Série B de 1998, pois era o capitão do time.

Depois de ser eliminado na primeira fase em 1996 e avançar até a penúltima em 1997, o Gama começou a Série B de 1998 desacreditado. Com três derrotas e um empate nas quatro primeiras rodadas, o técnico Orlando Lelé caiu. Com Vagner Benazzi no cargo, o alviverde fugiu da degola até o título. “Toda a cidade do Gama se mobilizou. Chegamos em uma situação de não deixar o time cair para uma reação muito grande. Cada jogo no Bezerrão era um muro que caia”, ressalta o treinador campeão.

A base do Gama de 1998 era doméstica. Dos 23 campeões, 13 foram criados no futebol candango: os laterais Paulo Henrique, Rochinha e Jacó; os zagueiros Jairo, Gerson, Nen e Adriano; os volantes Deda, Humberto e Kabila; o meia Ésio; e os atacantes Romualdo e Robertinho. A estrela foi o meia Rodrigo, artilheiro da campanha, com oito gols, que depois passou por Botafogo, Atlético-MG e Vasco. “Era a vontade dos jogadores de Brasília de mostrar que tinham condições e, ainda mais importante, a amizade do grupo”, lembra o supervisor daquele período, Edvan Aires.

A ascensão fulminante surpreendeu até quem comandava o clube. “Antecipou em cinco anos o projeto de subir para a Série A”, confessava Wagner Marques, com a desculpa na ponta da língua para o fiasco posterior, com três quedas (2002, 2003 e 2008). “Procuraram nos tirar da Série A de todas as formas. Isso nos descapitalizou. Ficamos trabalhando sem recursos”, reclama o cartola, em referência à guerra judicial travada contra a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) e o Clube dos 13 para impedir na Justiça comum o rebaixamento ilegal da elite de 1999.

Um sonho construído por pessoas que acreditavam no potencial do time. Mesmo sendo o representante de uma pequena cidade satélite nos arredores de Brasília o otimismo era grande. A equipe que chegou a brigar para não cair na primeira fase conseguiu eliminar o favorito clube do Remo na fase de playoffs e chegou ao quadrangular final com justiça.
O técnico Vágner Benazzi colocou o time nos trilhos. A equipe já tinha uma defesa sólida, entrosada. Paulo Henrique, Gérson, Jairo, Rochinha e Deda nem precisavam falar para se comunicar. Um olhar dizia tudo.

Na última fase o Gama enfrentaria, Botafogo-SP, Desportiva-ES e Londrina-PR. Os jogos valiam muito, afinal era a passagem de ida para a elite do futebol. O Gama começou o quadrangular jogando no estádio do Café em Londrina e conseguiu um bom empate por 0x0 com o time da casa.

Em casa era a hora de se recuperar. Mas no Bezerrão o Gama apenas empatou em 2×2 com a Desportiva. A recuperação veio em cima do Botafogo-SP quando o verdão conseguiu uma excelente vitória por 2×1 fora de casa no estádio Santa Cruz.

No jogo de volta o Botafogo conseguiu um empate no Bezerrão por 1×1 e equilibrou a disputa. Na penúltima rodada o Gama devolveu o empate com a Desportiva no estádio Engenheiro Araripe por 2×2.

A última rodada colocava todos os times em condição de subir. A responsabilidade era imensa para todos. O Gama jogava em casa e uma vitória colocava o time na primeira divisão. Mas o adversário era qualificado. A torcida londrinense compareceu e encheu a arquibancada reservada aos visitantes. O restante era todo verde e branco. Milhares de pessoas vieram de todas as partes de Brasília para ver o pequeno Gama jogar. E o jogo começou com o Gama partindo pra cima do adversário.

A torcida empurrava a equipe alviverde e os jogadores deram seu máximo. O meia Rodrigo foi mais uma vez o maestro da partida com boas jogadas e distribuindo o jogo para os “Neis” Bala e Júnior.

O zagueiro do Londrina fez falta em Rochinha. Rodrigo foi para a cobrança. Estranhamente Rodrigo deu as costas para a linha de fundo e cruzou de pé esquerdo para a segunda trave. Renato Martins escorou de cabeça e marcou o primeiro gol do Gama.

Êxtase nas arquibancadas. O Gama estava subindo para a primeira divisão! Não demorou muito o Gama fez o segundo com o menino prodígio William.

Enquanto isso o Botafogo goleava sem piedade a Desportiva. Isso dava o título ao Gama. No segundo tempo o velocista Nei Bala aproveitando lançamento avançou e decretou a vitória da Sociedade Esportiva do Gama pela primeira vez em sua história na elite do futebol.
Quando o jogo acabou a torcida ainda estava fazendo a “olla”.

Todos os jogadores se abraçaram. Jogavam suas camisas para a torcida num gesto de gratidão. O atacante Moisés ficou apenas de sunga.

Assim o time entrou para a história do futebol nacional e marcou o reconhecimento do Gama como um time popular e respeitado. Nossas homenagens a todos os jogadores e treinadores que fizeram parte desta história maravilhosa.

PRESIDENTE
Agrício Braga Filho

TÉCNICO
Vágner Benazzi

PREPARADOR FÍSICO
Jean Cláudio

GERENTE DE FUTEBOL
Edvan Aires

GOLEIROS
Marcelo Cruz e Roger

ZAGUEIROS
Gérson, Jairo, Adriano e Nem

LATERAIS
Paulo Henrique, Rochinha e Jacó

VOLANTES
Deda, Kabila, Humberto e Doriva

MEIAS
Ésio, Zédivan, William e Rodrigo

ATACANTES
Nei Bala, Nei Júnior, Moisés, Romualdo, Renato Martins e Robertinho

Marcelo Gonçalo

Formado em Sistemas de Informação, optou pela carreira de Jornalismo a partir de 2008. Jornalista, comentarista e narrador esportivo, foi o principal repórter do site BloGama até 2018.

Marcelo Gonçalo tem 2843 posts e contando. Ver todos os posts de Marcelo Gonçalo

Avatar

Um comentário em “Há 20 anos, Brasília parou para testemunhar momento histórico do Gama

  • Avatar
    21 de dezembro de 2018 em 10:17
    Permalink

    Bela matéria! Uma sugestão: tinha que ter uma opção pra gente compartilhar as matérias do site pelo WhatsApp, assim como os outros veículos fazem! Fica a dica!! =)

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *