Brasiliense joga mal, luta, mas sofre derrota dentro de casa

Em partida válida pela segunda rodada do grupo A10 do Campeonato Brasileiro da Série D 2018, o Brasiliense recebeu o Iporá-GO, no estádio Mané Garrincha, neste domingo (29), debaixo de muita expectativa. O jogo valia a liderança isolada da chave, já que as duas equipes haviam vencido na estreia. No fim, melhor para os goianos, que com um gol de falta de Danillo, levou os três pontos na mala e frustrou os planos do time da casa.

Além da dor de cabeça da derrota, o Jacaré também reclamou muito da arbitragem confusa do baiano Edvalter Marinho, que não teria marcado um pênalti claro a favor dos candangos, além de ter negligenciado algumas faltas a favor do Brasiliense.

Início promissor, final trágico

Quando a escalação do Brasiliense saiu, a entrada de Lúcio no sistema defensivo chamou a atenção, já que Preto Costa tinha feito boa estréia contra o Dom Bosco-MT. Outro fato foi a entrada de Romarinho no ataque, na vaga de Filipe Cirne, alterando o esquema tático do 4-4-2, para o 4-3-3. Antes da bola rolar, foi respeitado um minuto de silêncio em homenagem a avó do centroavante Nunes, que faleceu na última quinta-feira. Quando o árbitro autorizou o início do jogo, o Brasiliense partiu para o abafa tentando resolver o jogo.

Logo de cara Nunes foi pra cima da zaga, brigou pela bola, que acabou sobrando na direita para Reinaldo. O camisa 11 cruzou e Aldo apareceu para cabecear pra fora. Aos 5 minutos, Romarinho aproveitou que a zaga cortou mal uma bola lançada da zaga e bateu cruzado, mas sem direção. Durante boa parte do duelo, o Brasiliense manteve uma postura agressiva e sufocou o Iporá, mas aos poucos foi afrouxando a pressão e deixando os goianos gostarem do jogo.

O Jacaré só voltou a assustar novamente aos 22 minutos, quando Peninha tomou bola do zagueiro no campo de defesa e bateu pra tentar encobrir o goleiro, mas sem força. Apenas aos 29′ veio a primeira boa chance do Iporá. Bosco recebeu a bola dentro da área, trombou com Welton Felipe e ajeitou para Rodrigo Alves. O mesmo chegou batendo de primeira, na entrada da área, e tirou tinta da trave de Edmar Sucuri.

Seis minutos depois, Wellington Saci arrancou pelo lado esquerdo e bateu da intermediária, buscando o ângulo do goleiro Cleriston, que só olhou e torceu para a bola não entrar. No último lance da primeira etapa, o volante Bosco, do Iporá, bateu falta com força, assustando o goleiro do Jacaré e preocupando a torcida. Naquela altura, o time goiano já era melhor em campo e o intervalo foi um alívio para os mandantes.

Assim que o árbitro decretou o intervalo, Aílton Ferraz mandou o lateral Patrick para o aquecimento. Em uma troca, posição por posição, Patrick entrou na vaga de Wanderson Lima, por se tratar de um jogador mais agudo e que busca mais o ataque. Com um minuto da segunda etapa, a substituição parecia que iria funcionar. Patrick arrancou pela direita, enfiou para Reinaldo, que bateu cruzando, obrigando a zaga a cortar. Aos 4′, Wellington Saci cobrou falta pra área e o goleiro do Iporá bateu roupa, mas, na sobra, Welton Felipe estava impedido.

A partir dos 15 minutos, o Brasiliense começou a ter “problemas” com a arbitragem. Tiago Pedra reclamou de ter levado cotovelada em disputa de bola, mas o árbitro baiano deu falta do volante do Jacaré. Aos 18, Peninha roubou a bola no meio campo e partiu em direção ao gol. O camisa 10 tocou para Aldo, que tentou achar Patrick, mas a defesa goiana cortou. Na sobra, Nunes chutou com perigo, no canto esquerdo de Clériston.

Querendo fazer o resultado, Aílton Ferraz fez suas duas últimas trocas. Erick Flores fez sua estreia, entrando no lugar do volante Tiago Pedra. Michel Platini também estreou, entrando na vaga de Reinaldo. As duas substituições acabaram deixando a equipe mais exposta e o Brasiliense acabou pagando por isso.

Aos 26 minutos, Welton Felipe fez falta na intermediária direita. A pequena torcida do Iporá presente no estádio começou a gritar o nome do camisa 20 Danillo. Na cobrança, o xodó da torcida isolou, mas o juiz mandou voltar, alegando que não havia autorizado. Quando a jogada se repetiu, o mesmo Danillo cobrou com perfeição no angulo esquerdo de Sucuri, que nada pode fazer pra evitar o gol. Um balde de água fria nas pretensões do Brasiliense.

Brasiliense lutou muito, mas não conseguiu derrotar o Iporá-GO (Foto: Ricardo Botelho/DF Sports)

Quase dez minutos após o gol do Iporá foi que o Brasiliense voltou a assustar. Erick Flores, que fez boa estréia, tabelou com Peninha e bateu forte da entrada da área, levando perigo e quase conseguindo empatar a partida. Daí em diante, um festival de cruzamentos para a área, para que Nunes, Platini e por vezes Lúcio, tentassem empatar o jogo.

O Brasiliense chegou novamente aos 43 minutos da segunda etapa, quando Nunes disputou no alto com o zagueiro Helder, a bola tocou na mão do defensor por duas vezes, na frente do árbitro Edvalter Marinho, que não hesitou e mandou o jogo seguir. Pênalti claro não marcado a favor do Jacaré, levando o treinador Aílton Ferraz a loucura. Dois minutos depois, Saci bateu falta para a área, Lúcio escorou, mas Nunes não conseguiu chegar.

O time da casa ainda teve cinco minutos para buscar pelo menos o empate. Mas, a essa altura, já desorganizado em campo e mais na base da vontade, não encontrou o caminho do gol e saiu de campo derrotado, para a decepção da maior fatia dos 635 torcedores presentes. O Iporá, que não tem nada com isso, terminou a partida sem fazer nenhuma alteração e comemorou muito a vitória.

Falando ao microfone da TV Brasiliense, Michel Platini comentou o péssimo resultado dentro de casa. “Um resultado muito ruim. Não podemos perder esses jogos em casa. Tinhamos projetado ganhar os dois jogos, mas infelizmente não deu. Encontramos algumas dificuldades hoje, a equipe do Iporá é uma equipe muito boa, mas nós vamos procurar melhorar pois temos força pra chegar ainda”, analisou o atacante.

Na próxima sexta-feira (4), o Brasiliense volta a jogar em casa, dessa vez contra o Corumbaense-MS, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro da Série D. A vitória é indispensável para o time candango, já que os jogos da quarta e da quinta rodada serão fora de casa.

FICHA TÉCNICA

BRASILIENSE 0 x 1 IPORÁ-GO

Campeonato Brasileiro Série D 2018 – Grupo A10 – 2ª rodada

29/04/2018 – 16h

Estádio Nacional de Brasília, Brasília-DF

Público: 635 pagantes

Renda: R$ 2.075,00

Arbitro: Edvalter Marinho dos Santos – BA

A1:  José dos Santos Amador – BA

A2: Cláudio Antonio Dias Aragão – BA

4º Árbitro: Maguielson Lima – DF

5º Árbitro: Jamir Garcéz – DF

BRASILIENSE

Edmar Sucuri; Wanderson Lima (Patrick), Lúcio, Welton Felipe e Wellingon Saci; Tiago Pedra (Erick Flores), Aldo e Peninha; Romarinho, Reinaldo (Platini) e Nunes.

Técnico: Aílton Ferraz

Gol: Não houve

Cartões Amarelos: Lúcio, Aldo e Tiago Pedra.

IPORÁ-GO

Cleriston; Flávio Menezes, Helder, Ricardo Lima e Danillo; Bosco, Capixaba, Renato Xavier e Rodrigo Alves; Preto e Lucca.

Técnico: Gilberto Pereira

Gol: Danillo (26’2T)

Cartões Amaelos: Ricardo Lima, Flávio Meneses.

Por Pedro Breganholi

Marcelo Gonçalo

Formado em Sistemas de Informação, optou pela carreira de Jornalismo a partir de 2008. Jornalista, comentarista e narrador esportivo, foi o principal repórter do site BloGama até 2018.

Marcelo Gonçalo tem 3027 posts e contando. Ver todos os posts de Marcelo Gonçalo

Avatar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *