Modalidade pouco visível no DF traz título inédito à capital

Entre os dias 29 de março e 1º de abril, foi realizado o Campeonato Regional Centro Norte de Futebol de 5 (futsal de cegos), no ginásio Amando Grecco, em Trindade-GO. A final foi disputada entre a equipe da ABDV/DF (Associação Brasiliense de Deficientes Visuais), do Distrito Federal e o ISMAC/MS (Instituto Sul-mato-grossense para Cegos Florisvaldo Vargas), do Mato Grosso do Sul. Depois de um acirrado 0 x 0 no tempo normal, a ABDV/DF bateu o ISMAC/MS na disputa de pênaltis pelo placar de 2×1.

A conquista foi inédita para o Distrito Federal e para a ABDV, e foi comemorada com muita festa pelos jogadores e comissão técnica. Com a conquista, a equipe do DF conseguiu uma vaga para disputar a Copa Loterias Caixa de Futebol 5 – Série B, que representa a Segunda Divisão da modalidade no Brasil.

A ABDV iniciou a disputa do certame no Grupo B e teve como adversárias outras três equipes: AMC/MT (Associação Mato-grossense de Cegos), ADVAM/AM (Associação dos Deficientes Visuais do Amazonas) e ASCEPA/PA (Associação De e para Cegos do Pará).

Na primeira partida, dia 29/03, a ABDV encarou a ASCEPA na partida de abertura da competição. Com um futebol bem praticado, a equipe brasiliense bateu a adversária pelo placar de 3 a 1 e garantiu os primeiros três pontos da competição. Durante a partida, o atleta Amaury quebrou o nariz depois de uma dividida com um jogador adversário e acabou ficando de fora dos próximos dois jogos.

Na mesma data, porém um pouco mais tarde, às 16h, o duelo foi contra a equipe da ADVAM. Em um jogo duríssimo, de poucas falhas e aberturas do adversário, a ABDV superou os amazonenses pelo placar mínimo (1 x 0), garantiu a primeira posição do grupo e a vaga na fase semifinal do campeonato.

Na última partida da fase de grupos, a equipe brasiliense não conseguiu apresentar a mesma qualidade dos dois primeiros jogos e acabou sofrendo sua primeira derrota na competição. Contudo, o revés de 1 x 0 diante do AMT/MT não foi o suficiente para que os brasilienses perdessem a ponta da tabela do grupo B, graças às duas primeiras vitórias da equipe. Com o resultado final do grupo, coube à ABDV enfrentar o favorito CFCP/PA (Clube de Futebol para Cegos do Pará) na semifinal do certame.

A partida foi disputadíssima, com ótimas jogadas construídas por ambas as equipes e foi vencida com muita dedicação e raça pela ABDV. Depois de muitas tentativas de gol, os brasilienses abriram o placar do jogo. O ala esquerdo Amaury marcou um belíssimo gol, trazendo a vitória e a classificação para o clube do DF. Redenção da maneira mais heroica possível para o atleta, pois desde a primeira partida, Amaury não atuava. A contusão em seu nariz impediu sua aparição nas duas partidas seguintes e, mesmo contundido, o ala chamou a responsabilidade para si na semifinal e trouxe a classificação para sua equipe.

A final, disputada dia 1º de abril, foi a partida mais truncada e acirrada do campeonato. De um lado os candangos da ABDV, detentores da melhor campanha da primeira fase com duas vitórias, uma derrota, quatro gols marcados e dois sofridos. Do outro, os sul-mato-grossenses do ISMAC, que chegaram à final com dois triunfos em dois jogos e que possui em seu elenco Antônio Santos, ou Toninho, artilheiro da competição com três tentos marcados.

A decisão

Depois de uma partida sem gols, onde ambas as equipes lutaram bastante pela vitória, o troféu teve de ser decidido nas cobranças de penalidades máximas. Foi aí que as estrelas de Tales Resende e Amaury brilharam. O goleiro Tales defendeu duas das três cobranças do ISMAC, e foi vazado apenas na cobrança de Toninho. O ala esquerdo Amaury, que já havia marcado o gol da classificação da ABDV na semifinal, consagrou-se de uma vez por todas quando converteu o pênalti que deu o título à equipe de Brasília.

A comemoração foi emocionante, evidentemente. O título da ABDV coroou não só o ótimo trabalho do treinador Marcelo Ottoline , que dirige a equipe há mais de dez anos, mas também todos os atletas guerreiros que, diariamente, lutam contra as dificuldades de ser um esportista cego no Brasil. Além da falta de divulgação da mídia, a torcida e os patrocinadores parecem fechar os olhos para o esporte no Brasil, ainda que o país seja o maior campeão paralímpico da modalidade (quatro ouros em quatro Paralimpíadas).

Para Marcelo, a conquista é muito mais do que um título inédito. É o reconhecimento de um trabalho bem feito. “A importância do título é muito grande, uma vez que é a coroação de 10 anos de um trabalho que conta com a parceria do Governo do Distrito Federal, através da Secretaria de Estado de Educação, que cede professor e espaço físico, da Secretaria de Estado de Trabalho, através da Fábrica Social, que fornece as bolas com guizos e da Secretaria de Estado de Esporte, Turismo e Lazer, que fornece o transporte para as competições oficiais. Mostra que, apesar de algumas dificuldades, estamos no caminho certo. Afinal, é um título inédito que nos coloca na condição de melhor equipe das regiões centro-oeste e norte do país”, ponderou.

Marcelo ainda faz clama aos torcedores e à mídia esportiva do DF. “O apelo pela visibilidade é para que a modalidade se torne conhecida. Foram quatro Paralimpíadas em que o Futebol de 5 (futsal de cegos) foi disputado, e o Brasil foi medalha de ouro em todas elas. Esse sucesso passa pelo trabalho realizado pelas equipes estaduais, já que são nelas que os atletas, de fato, treinam. E em se tratando de deficientes visuais, cegos totais, é esse esporte que tem o forte apelo de dar sentido às suas vidas. A mídia ajuda a mostrar isso, sensibilizando e atraindo olhares de possíveis apoiadores. Somos potência mundial nos esportes paralímpicos e o DF é um celeiro de grandes atletas. Patrocínio depende de exposição da marca. Como conseguir se a mídia não divulga nada”?

Vale ressaltar que o atleta Amaury, que marcou o gol do título, já foi convocado para a seleção brasileira de futebol 5 em mais de uma oportunidade. A importância da conquista da ABDV é muito maior do que se imagina, pois, os atletas e a comissão técnica, que passam por cima de adversidades diariamente, entregam suas rotinas diárias para a disputa e o crescimento da modalidade na capital. A coroação da equipe significa que o DF está caminhando, ainda que há passos curtos, para o avanço do esporte em seu território.

A Copa Loterias Caixa de Futebol de 5 Série B será realizada entre os dias 22 a 27/10/2018 e será sediada no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro em São Paulo.

Por Gabriel Felipe

Marcelo Gonçalo

Formado em Sistemas de Informação, optou pela carreira de Jornalismo a partir de 2008. Jornalista, comentarista e narrador esportivo, foi o principal repórter do site BloGama até 2018.

Marcelo Gonçalo tem 2841 posts e contando. Ver todos os posts de Marcelo Gonçalo

Avatar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *